Sérgio Marone, o Ramsés de ‘Os Dez Mandamentos’, assume que já pagou por sexo

Sem Parar

Regiane Jesus

Solteiro, o ator diz ainda que adoraria ter um harém e que não pensa em se casar nos moldes tradicionais

Sérgio Marone e o novo visual%2C que fez sucesso com as mulheres

Sérgio Marone e o novo visual%2C que fez sucesso com as mulheres

Foto: Maíra Coelho / Agência O Dia

Rio – ‘Separo sexo de amor.” A frase é de Sérgio Marone, mas bem que poderia ser de Ramsés, o novo rei egípcio de ‘Os Dez Mandamentos’, a novela de maior sucesso da Record. Um dos pontos em comum do ator, de 34 anos, com o antagonista da trama é o fascínio pelas mulheres. “Claro que é muito melhor fazer sexo com amor, mas nem sempre é possível. É absolutamente normal, civilizado, que o Ramsés ame a Nefertari (Camila Rodrigues) e queira se divertir com outras mulheres. A nossa sociedade hoje não pensa dessa forma, mas tudo acaba virando uma grande hipocrisia”, critica.

E se tem uma palavra que não faz parte da vida de Sérgio é hipocrisia. Tanto é que ele revela, sem crises, ter apelado para uma profissional em um momento de solidão. “Já paguei por sexo. Foi uma experiência ótima, era o que eu precisava naquele dia. Eu estava há um tempo separado de uma ex-namorada, triste, não conseguia me interessar por nenhuma outra mulher e, um dia, eu estava trabalhando no Rio Grande do Sul e pedi para me levarem numa casa de Senet (nome do prostíbulo que Ramsés frequenta em ‘Os Dez Mandamentos’). Lá, conheci uma gaúcha linda, que eu tive vontade de ficar. Aí paguei para ter uma noite com ela. Funcionou para mim como um desencanto. Essa foi a minha experiência. Não julgo, não tenho pudor em dizer que já paguei por sexo, é normal”,diz.

Ser traído também não é nenhum bicho de sete cabeças para o ator. “Depois que eu terminei um namoro, eu soube que um amigo meu tinha ficado com a minha ex-namorada. Acho que ela poderia ter feito isso com qualquer pessoa, e não com um dos meus melhores amigos. Acredito mais em lealdade do que em fidelidade. Mas ter sido traído não diminui em nada a minha masculinidade. Se você almeja ter uma relação de anos, é muito difícil que não tenha um deslize ou outro”, acredita.

A ideia de ter um harém, experiência que Ramsés vai viver agora que se tornou Rei do Egito e também após se casar com Nefertari, não parece absurda para Sérgio. “Faz parte da fantasia de qualquer homem ter um elenco de mulheres à sua disposição. Acho justo que o Ramsés tenha um harém. O exercício do poder é tão solitário, né? Nessa circunstância de rei, seria perfeito ter várias mulheres, porque é tudo organizado, civilizado. Cada dia ele se deita com uma esposa. O que é confuso é você viver às escondidas, no sentido de traição, de ter um relacionamento fora do casamento. Não me vejo fazendo isso, porque não tenho capacidade de mentir. Ia mentir e depois ia esquecer que menti. Tem homem que tem essa facilidade, mas eu não tenho. Quando estou namorando, sou homem de uma mulher só”, afirma.

E que ninguém pense que Sérgio tem todas as mulheres que quer à sua disposição. “Já levei fora, a maior parte dos meus namoros não fui eu que terminei, sou um cara difícil de conviver no dia a dia, porque sou bastante independente e preciso do meu espaço. Neste momento da minha vida, é impensável morar junto com alguém”, confidencia.

Dividir o mesmo teto é coisa que não faz a cabeça de Sérgio, nem se casar com pompa e circunstância, como Ramsés. “Não me casaria dessa forma. Sou mais de fazer uma bela viagem. Vou buscar um casamento não convencional, no sentido de, de repente, morar no mesmo prédio, em apartamentos separados. Acho que isso preserva a relação. É o casamento ideal. Papel passado, tudo bem. Acho que é até uma questão de respeito à sua companheira, que está crescendo junto com você”, explica.

O discurso, por enquanto, está no campo da teoria. “Estou solteiro mesmo. Mas é lógico que fico eventualmente com alguém. Estou vivo, sou filho de Deus. Para isso a gente sempre dá um jeito, arruma tempo”, diverte-se.

E o assédio não para de crescer. Como se não bastassem a pinta de galã e o poder de sedução de Ramsés, o novo visual, de cabeça raspada, rendeu mais fãs ao ator. “Estou fazendo sucesso careca, não tenho do que reclamar (risos). Deu uma atiçada interessante. Acho que se criou um fetiche.”

Comentários: (0)






Sem Parar