Pai calcula salário que esposa deveria ter para cuidar do filho e da casa

Americano soma as funções desempenhadas pela mulher, que deixou o emprego para cuidar da casa e do filho, e determina o salário que ela deveria receber: mais de 220 mil reais por ano

Roupa lavada, comida na mesa e filho devidamente cuidado – e amado. Isso tudo feito com muito carinho pela mulher e mãe da casa. Essa é a realidade de muitas famílias que, após a chegada dos filhos, chegam a conclusão de que seria melhor a mulher ;parar de trabalhar fora e cuidar da casa e das crianças.

Mesmo se dedicando 24 horas do dia para o cuidado da família, nem todas as mães ;que resolvem tomar essa atitude sentem seus esforços devidamente reconhecidos pelos companheiros. Não é o que acontece com a americana Glory Nelms.

O marido de Gloria, em agradecimento à esposa que lava, cozinha, passa e cuida do filho todos os dias, calculou qual seria a remuneração justa pelo trabalho da esposa. Steven Nelms chegou ao valor de US$ 73.960 por ano (cerca de R$ 227 mil reais).

Segundo Steven, o trabalho de Gloria é tão valioso que ele não conseguiria arcar com o valor da mão de obra da esposa se fosse necessário remunerá-la. O americano calcula que o salário anual de Gloria deveria ser o dobro do que ele efetivamente ganha atualmente.

“De um modo diferente, esse é meu jeito de dizer o quanto valorizo minha esposa como mãe do meu filho e como a pessoa que sempre me apoia. Você vale mais do que rubis”, reconhece Steven.

Levar trabalho para casa todos os dias: as horas em que todos estão juntos são para brincar e conversar. Dedique-se às burocracias apenas no horário comercial

Levar trabalho para casa todos os dias: as horas em que todos estão juntos são para brincar e conversar. Dedique-se às burocracias apenas no horário comercial

Foto: Getty Images

Brigar com o cônjuge na frente dos filhos: presenciar discussões entristece especialmente os menores. Em suas fantasias, eles são os culpados pelas brigas

Brigar com o cônjuge na frente dos filhos: presenciar discussões entristece especialmente os menores. Em suas fantasias, eles são os culpados pelas brigas

Foto: Getty Images

Aparelhos eletrônicos nas refeições em família: usados à mesa, alienam os usuários, que ficam hipnotizados pela internet na tela e não conversam

Aparelhos eletrônicos nas refeições em família: usados à mesa, alienam os usuários, que ficam hipnotizados pela internet na tela e não conversam

Foto: Getty Images

Usar o trajeto de casa até a escola só para dar broncas: o tempo que poderia ser usado para criar conexões acaba se tornando um momento temido e traumático

Usar o trajeto de casa até a escola só para dar broncas: o tempo que poderia ser usado para criar conexões acaba se tornando um momento temido e traumático

Foto: Getty Images

Terceirizar a educação dos filhos: avós, babás e escola podem auxiliar, mas não devem ser os responsáveis pela criação dos pequenos. Esse papel cabe aos pais

Terceirizar a educação dos filhos: avós, babás e escola podem auxiliar, mas não devem ser os responsáveis pela criação dos pequenos. Esse papel cabe aos pais

Foto: Getty Images

Tentar comprar o amor dos filhos com presentes: dar um brinquedo não compensa a falta de carinho no dia a dia. A criança se sente ‘à venda’ e fica infeliz

Tentar comprar o amor dos filhos com presentes: dar um brinquedo não compensa a falta de carinho no dia a dia. A criança se sente ‘à venda’ e fica infeliz

Foto: Getty Images

Mexer no celular do adolescente: no aparelho estão conversas e fotos que, se ele quisesse tornar públicas, colocaria nas redes sociais. É o fim da confiança

Mexer no celular do adolescente: no aparelho estão conversas e fotos que, se ele quisesse tornar públicas, colocaria nas redes sociais. É o fim da confiança

Foto: Getty Images

Bisbilhotar armários e gavetas do adolescente: procurar provas de deslizes demonstra falta de diálogo e, se o filho descobrir, nunca mais confiará nos pais

Bisbilhotar armários e gavetas do adolescente: procurar provas de deslizes demonstra falta de diálogo e, se o filho descobrir, nunca mais confiará nos pais

Foto: Getty Images

Não participar das brincadeiras infantis por achar que vai atrapalhar: a criança fica frustrada, pois espera que os pais ajudem e se divirtam com elas

Não participar das brincadeiras infantis por achar que vai atrapalhar: a criança fica frustrada, pois espera que os pais ajudem e se divirtam com elas

Foto: Getty Images

Não dar espaço para os adolescentes: a partir dos 14 anos, é normal querer ficar só ou com os amigos. Entrar nesse espaço sem que eles solicitem os irrita

Não dar espaço para os adolescentes: a partir dos 14 anos, é normal querer ficar só ou com os amigos. Entrar nesse espaço sem que eles solicitem os irrita

Foto: Getty Images

Distrair a criança com eletrônicos no restaurante: os pais que fazem isso alegam querer mais tranquilidade, mas filhos acabam se sentindo alheios à família

Distrair a criança com eletrônicos no restaurante: os pais que fazem isso alegam querer mais tranquilidade, mas filhos acabam se sentindo alheios à família

Foto: Getty Images

Não prestar atenção quando a criança conta algo: ela perceberá e perderá, aos poucos, a vontade de conversar, criando uma barreira de diálogo entre vocês

Não prestar atenção quando a criança conta algo: ela perceberá e perderá, aos poucos, a vontade de conversar, criando uma barreira de diálogo entre vocês

Foto: Getty Images

Reprovar todos os namoros dos adolescentes: se está namorando, é porque viu qualidades. A reprovação apenas fará o filho ou a filha namorar escondido

Reprovar todos os namoros dos adolescentes: se está namorando, é porque viu qualidades. A reprovação apenas fará o filho ou a filha namorar escondido

Foto: Getty Images

Excesso de cobrança por notas sem acompanhar a lição de casa: pais que cobram ‘porque estão pagando’ deixam a criança insegura e se sentindo uma mercadoria

Excesso de cobrança por notas sem acompanhar a lição de casa: pais que cobram ‘porque estão pagando’ deixam a criança insegura e se sentindo uma mercadoria

Foto: Getty Images

Tratar os filhos eternamente como bebês: pode até ser por carinho, mas eles entendem que eram mais queridos quando pequenos, que maiores são ‘sem graça’

Tratar os filhos eternamente como bebês: pode até ser por carinho, mas eles entendem que eram mais queridos quando pequenos, que maiores são ‘sem graça’

Foto: Getty Images

 



Comentários: (0)





G4 Educação


Anhanguera
Anhanguera
Anhanguera